Especial Japão: Donpen, o pinguim multi-empresário

Algum tempo depois de ter descoberto o Google Street View, pensei em uma coisa: porquê não ir às ruas de um lugar distante e misterioso como o… Japão?

Primeiro, fui nas imediações da estação de metrô que se chama Tokyo. Não achei muita coisa. Depois, achei por acaso um parque de diversões com uma montanha russa em plena cidade, o Tokyo Dome City. Aí eu me lembrei de um lugar que eu já tinha ouvido falar por aí: Akihabara.

No GSV, encontrei uma loja embaixo de um viaduto, na região de Akihabara. Achei muito curioso um pinguim sentado em uma lua crescente e com os dizeres Amusement Discount Shop. Mal sabia eu que só conheceria uma das coisas que esse pinguim apronta no Japão. Continuar lendo

Especial Japão: Super Sea Story! Mergulhando de cabeça no mundo de Marine

Tudo começou quando li na Internet a respeito de uma reportagem do New York Times que deu dicas de lugares que não servem como pontos turísticos, embora sejam bem visitados. Um exemplo clássico (e surpreendente para quem não é de lá) é a Times Square, que nem os novaiorquinos aguentam – e, segundo o Street View, é menor do que parece (a Avenida Paulista parece ser mais larga!).
Outro exemplo que estava na lista era o centro de Tóquio. Aqui eu não entendi a o que exatamente o jornal se referiu (Estação Tokyo de metrô, perto do Palácio Imperial, em Chiyoda? Ou em Tochomae, Shinjuku, do lado da prefeitura da cidade?). Seja como for, o NYT deu dois lugares desconhecidos como dica para serem visitados: Asagaya e Ogikubo. Duas estações seguidas do JR no final da linha Marunouchi (vermelha), na zona oeste de Tóquio. Ou talvez início, já que o código da estação Ogikubo é M 01.  À bordo do Google Street View, vou visitar os locais, e em Ogikubo é que começa a nossa matéria. Continuar lendo

OK, eles não leram este blog, mas mesmo assim, valeu a lembrança

Cof, cof! Quanta poeira por aqui. Alô pessoal, só um acontecimento desses pra me fazer escrever aqui (zoei! *) Mas vamos lá.O quadro Gugu Visita Internacional acaba de ter uma de suas melhores edições, ao menos na minha humilde e não-levada-a-sério opinião. Uma família que vivia na Itália e sofria com as consequências de um terremoto foi viver no Brasil, sendo que 2/3 de seus 3 integrantes são italianos. E que reviravolta: de uma barraca e um motor home doado de segunda mão, eles passaram a viver em uma casa em Fortaleza que é melhor que a minha aqui em São Paulo.
E um dos programas de despedida que eles fizeram antes de voltar foi ir à Gardaland! Assunto já abordado neste blog em primeira mão (em português do Brasil, of curso). E, pô, pelas imagens da Record, o parque parece… mais legal ainda! Uma coisa que eu estava descobrindo aos poucos a respeito de Gardaland era a trilha sonora deles, na minha opinião muito mais legal que a dos parques Disney, pero há alguns anos andaram aprovando umas leis para a Internet italiana e eu não sei em que passo estão essas coisas (sou um tanto covarde, admito…). As músicas eram tanto da turma do Prezzemolo quanto umas que tinham relação mais direta com o parque, que não existe por causa deles como no Parque da Mônica, é um negócio meio diferente.

Para quem tiver MOLTA pacienza and tempo livre, e gostar TROPPO del Gugu, o vídeo (1h30) está aqui.

* O único blog mais suspenso do que o normal, a bem da verdade, é o SodTV!, (ainda mais que eu nem assisto mais o Pânico pela televisão, só pela Internet e com comerciais pientêrros antes de todos os vídeos, no site da Band) Os restantes estão sendo sacudidos aos poucos. MAS QUERO POSTAR MESMO PRA VALER É NO BLOG OFICIAL DA SALT COVER, É QUE ME FALTAM ASSUNTOS INTERESSANTES E AGRADÁVEIS ULTIMAMENTE…

Gente que phaz: Lobits

Hoje à tarde (em 21 agosto de 2010), vasculhando entre as prateleiras de um distribuidor de doces por atacado, alguma coisa me chamou a atenção. Era um salgadinho que eu nunca tinha visto antes, com um mascote que eu até então pensei que estava tendo alucinações, do tipo “vix, estou acessando o FurAffinity demais…” porquê era um canidæ que parecia estar de botas e luvas. Simpaticíssimo, aliás, tanto é que não entra em detalhes desnecessários. Só não seria um personagem meu por não ter topete… O produto é o salgadinho Lobits.

O personagem em questão trata-se de um lobo-guará, daí o nome Lobits. Uma bela inspiração nacional para os furries de plantão, não duvido que hajam vários que tenham escolhido essa espécie como fursona.

Quando escrevemos este texto originalmente (faz pouquinho tempo, só uns 5 anos…), o Lobits não estava no site de sua fabricante, Milho de Ouro, que presta serviços para outros fabricantes do ramo como Hikari, Pepsico e a distribuidora Marsil. Mas, algum tempo se passou, e atualmente, Lobits tomou conta desse site – inclusive com mais sabores e artes novas, pheitas pelo pessoal da empresa Mais Design. Quer dizer, o negócio pegou mesmo. Dá-lhe Lobits!

Uma curiosidade: lobos-guará são canídeos, mas não tem parentesco com raposas (Vulpes) e lobos (Canis), eles são de um gênero próprio (Chrysocyon).

Mais Design e Milho de Ouro são… Gente que Phaz!

Novo visual e… novo conteúdo, espero.

Alô Brasil e adjacências. Em uma tentativa de utilizar melhor os templates de blogs da WordPress cruzando com as nossas necessidades, estamos de visual novo. Eu sei que esse visual não é dos melhores, tanto é que estourou o menor tamanho de enquete e pra mostrar imagens aqui ficou meio zoado, mas pelo menos este visual dá melhor destaque aos links, agora não é mais preciso “cavar” o blog para encontrá-los. E cada dia tem mais links, sobretudo do pessoal do DeviantArt, uma verdadeira lista telefônica. Falta eu contribuir para o engrossamento daquelas páginas. E rápido! É, infelizmente a melhor coisa deste blog continua sendo os links (é como Brasília e seu aeroporto), então, aproveitemos, olha aí! Já já, posts melhores, e a elucidação de que raio de enquete é essa.

Turma da Móóóónica

Não, não é o locutor do Pânico na TV falando sobre eles. Continuando o famoso (e antigo) post do blog principal, conhecça como são os nomes da Turma da Mõnica em espanhol. Mais nomes, possivelmente, só se eu achar por aí a revista nesse idioma publicada pela Panini [EDIT jul/2015- Já li várias…]. Assim como já aconteceu com algumas revistas Disney nos anos 90, agora a Turma da Mônica é publicada também em inglês e espanhol – o curioso é que nas da Disney, HQs feitas no Brasil eram vertidas para o inglês, não tinha nada de publicação de material original da matriz.

Mônica Mónica (embora esteja Mônica na Wikipédia em espanhol, o logo da revista, disponível no site oficial em boa resolução, é com acento agudo.)
Cebolinha Cebollita
Cascão Cascarón
Dorinha Dorita
Do Contra Contreras
Franjinha Franjito ou Flequillo
Zé Luís Luis Lupa
Xaveco Xavier
Cascuda Polvorosa
Floquinho Copito (tradução literal dessa palavra)
Monicão Monicán
Mingau Vainilla
Sansão Sansón
Magali, Marina, Nimbus, Luca, Titi, Jeremias e Bidu tem nomes idênticos ao português ou hispanificados

Neste caso, são bem menos diferenças do que eu imaginava – e Contreras e Polvorosa são sensacionais… Não encontramos referências ao núcleo do Chico Bento – que aí realmente tem diferenças gritantes em relação ao universo hispano. Nesse caso o Chico deveria ser um aimará ou quíchua, vestido de poncho, em vez de burrico ele teria uma alpaca, seu chapéu não seria de palha, em vez de viola ele tocaria flauta, teria dificuldade de correr dos “tiros de sar” do Nhô Lau por causa da altitude… e por aí vai. E, bonus track: Como é essa turma na língua dos nossos cöeridos Prezzemolo, Otto e Mike, ou seja, La Banda di Monica? Guardate là!

Cebolinha Cipollino
Cascão Patacca
Franjinha Frangetta
Titi Tito
Xaveco Gaio
Do Contra Osti Nato
Maria Cebolinha Maria Cipollino
Zé Vampir Vic Vampire
Penadinho Fantasmino
Nomes não citados são idênticos ao português, italianizados ou não foram encontrados

Titi virou imperador,então… (aquele que inaugurou o Coliseu, obrigado Wikipedia) Esta é a multinacional Turma of the Mônica. Agora só phalta aquela história que o pessoal vive dizendo por aí – que seria muito interesante se houvessem créditos no início das histórias, porquê a galera pensa que só o Mauricio de Sousa que faz tudo aquilo… Fikdik! Se você tiver tempo, dê uma bisoiada na barra lateral, temos alguns links novos, além de uma pesquisa sobre a qual eu vou phalar em breve.

EDIT – Texto de Maurício de Sousa de 1998 fala bem melhor sobre esse assunto do que um fan text de meia tigela, som na caixa, mané!

Duas do Mauriverse

Primeiro, e eis que o Mauriverse, que olha a Internet com desconfiança e trata computadores com distanciamento e um certo desprezo desde os tempos de Expert e HotBit… se cruza com uma iniciativa no mínimo, Web 3.0. É um site chamado (criancças, tapem os ouvidos, por gentileza) Porra, Maurício!.  Uma espécie de blog que mostra momentos das HQs da Turma da Mônica vistos por outro ângulo, o dos adultos, extraindo um duplo sentido que normalmente não se imaginaria possível em HQs como essas. E acreditem se quiser: o cara deu sorte. Funcionários da MSP e o próprio patrão deles levaram na esportiva, muito embora foi adicionado recentemente um texto de “este blog é inadequado para menores” que só pode ser sugestão do Maurício de Sousa. Mas tudo bem, porquê é mesmo.

Ontem, o “P%M” fez o Xaveco Day, um dia dedicado ao personagem mais secundário da turma, além de um cacófato desgraçated. Aquele garoto de cabelos amarelos que usa uma camiseta loira, e que tem uma irmã que chama a atenção mais do que ele… é, ele mesmo, Xaveco! (Putz, os Irmãos Warner iriam se amarrar nos encantos brasileiros de Xabéu!) Ele que já foi inclusive um programa do SBT, com Celso Portiolli… que phoi gravado em 1995 e reprisado em 2004, quando a emissora estava mal das pernas.

Segundo, essa eu vi com estes olhos que a terra há de comer – aliás, olhos é o cerne da questão. Estava eu na nossa querida Tateno, perto do metrô Santos-Imigrantes, quando vi uns bonecos da Turma da Mônica. “Ah, são aqueles bonecos que eles vendem na época da páscoa, com a turma vestida de coelho, tipo os bichinhos da Parmalat ou os bebês da Anne Geddes“, pensei (estes, inclusive, também viraram bonecos).  Mas estranhei que Mônica, Cebolinha e asseclas estavam um pouco diferentes, com olhos reluzentes… É que eu estava a contemplar a Turma da Mônica Baby em Estilo Mangá !!!! (Rapaz, tão banalizando isso, daqui a pouco vai ter Shonen Jump em estilo franco-belga…)
Percebam que não é a Turma da Mônica Jovem que está em questão desta vez, e sim, uma parte meio sub-utilizada da Turma da Mônica Standard, a de quando eles eram bebês, muito mais usada em comerciais de produtos diversos. Já já teremos a TdM, aquela, mais comum, em estilo mangá, e aí que eu quero ver. Na verdade, queria ver eles pra valer em estilo mangá, com traço fino e sombreamento “duro” em vários níveis, e por aí vai…… (posso ser uma anta em matéria de mangás, mas algumas coisas da TMJ eu já saquei, rapeize! Aliás, que tal uma letragem dipherente,como a da Lilian M. T. Farias?…)

E de resto, continuamos torcendo pelo reestabelecimento del Parque da Mônica. Não duvido que esse episódio tenha rendido alguma coisa em quadrinhos, vindo de alguém que escreveu uma história onde Chico Bento perde uma irmã que falece logo após o nascimento, uma ocasião tristíssima para uma HQ que na maioria das vezes, nos faz rir. Mas se não virou, tudo bem, não precisa, não é uma sugestão, de jeito nenhum, Maurí… Maurício! Ô, Maur… Volta aqui, rapaz!…